sábado, 9 de abril de 2011

Choque

Um desequilibrado que invade uma escola e sai despejando os traumas vividos e guardados há anos contra inocentes...E eu que pensava que isso era coisa só "pros lados de lá"...Infelizmente aconteceu aqui, em "nossa casa".

O que leva um jovem há uma atitude como essa?! Segundo os pisicólos de plantão são vários fatores: maus tratos, abandono, drogas, falta de estrutura familiar, fanatismo religioso, mágoa, bullyng etc, etc e etc.

Pelos trechos divulgados da carta do agressor, era fato a confusão mental, os valores invertidos, o "Q" de solidão em que ele vivia...Mas isso nunca foi percebido antes?

Nosso comprortamento, nossas atitudes falam muito sobre quem nós somos (de verdade)até mais do que gostariámos. Isso tudo me fez refletir demais esses dias. Sou mãe, tenho 3 filhos cada um mais diferente que o outro, com necessidades diferentes, linguagens diferentes, pessoas distintas a despeito de pertencerem a mesma estrutura familiar, de terem as mesmas oportunidades, a mesma orientação. Cabe a mim, como mãe, saber falar a linguagem de cada um ( e ufa! como é dificil ás vezes) está atenta a qualquer "sinal" de alerta de que algo não vai bem, seja na saúde física, ou seja com relação ao comportamento em si, a meneira de como eles estão encarando os relacionamentos.

Agora o que me angustia de verdade: Quantas crianças temos espalahdas por aí, que não tem alguém que as vejam com esse olhar de cuidado e amor? Sejam mães, pais, avós, tias irmãs?! Quantas minha gente? Quantas crianças "se criam" sozinhas nesse país, sem referencia, sem valores, vivendo cada um por si, lutando pra sobreviver nessa sociedade sem misericórdia, onde uma vez que estão sozinhas sem quem defendam os seus interesses, sem ter quem oriente, a única coisa que aprendem (e aprendem muito rápido por questão de sobrevivência mesmo) é a politíca do levar vantegem, é o olho por olho dente por dente...Essas crianças quando não morrem cedo, crescem e acabam gerando mais crianças iguais a quem elas foram...Quantos "Wellington de Oliveira" aindam iremos fabricar nesse país?

Que Deus conforte as famílias nesse momento.

3 comentários:

Priscila disse...

Oi amiga, muito pernitente sua reflexão.
Sou diretora de uma escola e vejo diariamente como os pais estao distantes dos seus filhos e vejo sinais diarios neles que os pais não vêem. As vezes penso em chama-los para conversar, pedir mais amor, compreensão, carinho... mas alguns já até me falaram que ou trabalham ou dão atenção, que a vida é corrida, que não existe tempo, etc... onde iremos parar??

beijos

Projeto Peso Ideal disse...

Olá! Estava navegando na blogosfera e me deparei com o teu blog.
Adorei! Adoro fazer novas amizades, trocar idéias, novidades, sucessos e até derrotas.
Tb estou nesta luta INSANA contra a balança ...
Já estou te seguindo...
Se puder visita meu blog.
Abraço!

OBS: TB POSTEI SOBRE ESSE TEMA EXTREMAMENTE TRISTE!
*´¨)
¸.•´¸.•*´¨) ¸.•*¨)
(¸.•´ (¸.•` * ♥* Peso Ideal * ♥* ♥ * ♥ *

yanne passos disse...

Querida Amanda,

Muito obrigada por sua mensagem lá no meu cantinho, boas palavras são sempre bem vindas, principalmente, quando não estamos bem. E você como está? Espero que você e sua família estejam bem. Também, fiquei arrasada com essa trajédia, nós, acho que como mãe a gente tenta se colocar no
lugar de quem perdeu seu filho e imagina, só imagina, o tamanho da dor. Que Deus proteja nossas crianças, é só em quem podemos confiar.
Beijos e uma linda semana pra ti.